Banca examinadora

Neide Esterci

Peter Henry Fry
José Sérgio Leite Lopes
Yvonne Maggie (suplente)

Resumo

No ano de 1992, em Moçambique, começou uma série de discussões sobre o que se convencionou chamar “autoridade tradicional”. Nessas discussões duas correntes se iriam destacar, aquela que considerava pertinente a “restauração” dessa instituição sócio-cultural como condição básica para dar solução do “caos social” que o país vivia, e a outra, que considerava uma discussão inócua uma vez que para ela, a “autoridade tradicional” não passava de um conjunto de pessoas “tradicionalistas” e com idéias conservadoras, portanto resquícios do “feudalismo”.
O presente trabalho procura contribuir nesse debate. Com efeito, através de uma análise de um caso de conflitos de terra, tenta mostrar como a “autoridade tradicional” usa, tanto recursos do passado quanto do presente para pleitear pela sua parcela de poder. Por outro lado, mostra como as noções de “tradicional” e do “moderno” adquirem novos conteúdos no contexto social e político local em função das mudanças pelas quais Moçambique passa hoje.

ABSTRACT

In 1992, in Mozambique, began a series of discussions about what was so called “traditional authority”. On these discussions, two approaches gained more importance. The first, defended the “restauration” of this socio-cultural institution, as a basic condition for the solution of the “social chaos” that the country faced; and the second, considered this discussion innocuos given that, for this approach, the “traditional authority” was not more than a cluster of “traditionlist” people with conservative ideas, and therefore wrecks of the “feudalism”.
This work seeks to contribute to this debate. In effect, from an analysis of a case of land conflict, it tries to show how this “traditional authority” uses not only resources of the “past”, but also resources of the “present” to claim its parcel of the political power. Moreover, the work tries to show how the concepts of the “traditional” and of the “modern” obtain new meanings in the local social and political milieu, as a consequence of the changes which Mozambique faces today.