RESUMO

Resumo: Esta tese investiga como a proliferação de novas organizações da sociedade civil e a crescente participação destas em decisões públicas trazem respostas às delimitações da comunidade política e a como se organiza a representação, diferentes daquelas características de um período de maior protagonismo do Estado. Toma como objeto de estudo as Organizações não-governamentais (ONGs) as quais não funcionam a partir da lógica de filiação e não são representativas. A partir de um survey que inclui ONGs sediadas em cinco estados brasileiros e no Distrito Federal a tese investiga as seguintes questões: quais ONGs mais freqüentemente influenciam as decisões de políticas públicas ou se engajam em práticas de representação? E quais ONGs mais freqüentemente estabelecem relações de accountability de acordo com princípio de participação? As evidências encontradas mostram o impacto da dependência de recursos sobre o engajamento em práticas de representação e, especialmente, sobre as relações de accountability estabelecidas pelas ONGs e sugerem constrangimentos e possibilidades trazidas por estas tendências/padrões para a ampliação da democracia.

Palavras chaves: sociedade civil, ONGs, accountability, representação política.