Banca examinadora

Prof. André Botelho, Presidente
Profa. Karina Kuschnir
Profa. Nísia Trindade Lima

Resumo

Esta dissertação tem como objetivo discutir a caracterização de mundo rústico e a sua relação com a mudança social na sociologia de Maria Isaura Pereira de Queiroz. Ao analisar a sociabilidade, cultura e estrutura social dos camponeses no Brasil, Maria Isaura logrou avaliar o lugar dessa camada no interior da sociedade brasileira, além de travar um diálogo, implícito ou explícito, com outros trabalhos que se dedicaram ao mesmo objeto, notadamente Euclides da Cunha, Emílio Willems e Antonio Candido. Nossa hipótese, portanto, é de que ao questionar a estrutura e os mores tradicionais como conseqüência direta de seu isolamento Maria Isaura apontou como a formação social do mundo rústico se dera historicamente a partir das relações entre diferentes grupos sociais no interior da sociedade global. Observa-se como, no conjunto de sua obra, o mundo rústico se constitui em objeto privilegiado para a compreensão da própria sociedade brasileira. Para identificar e discutir essa contribuição da autora reconstitui-se uma seqüência analítica da questão na tradição sociológica brasileira, recurso metodológico que, ademais, permite apontar o valor teórico heurístico que suas análises encerram.