Samantha Brasil C. de Oliveira

Banca examinadora

Profa. Yvonne Maggie
Profa. Marta Simões Peres

Resumo

Esta pesquisa discute como e porquê ocorre uma profunda relação entre as pessoas e seus cães de estimação nas modernas cidades cosmopolitas, como é o caso do Rio de Janeiro. Neste estudo, as categorias trabalhadas foram afetividade, consumo e distinção, pois foram categorias que se demonstraram fundamentais para compreensão do universo pesquisado. Os grupos de estudo se dividem em dois pólos de uma mesma relação que tem no cão o elemento mediador das relações sociais. Através de pesquisas etnográficas, veremos em primeiro momento, a experiência de proprietários que vêem esses animais como “pessoas” que atingem o status de “membros da família” humana com quem vivem. Neste caso, estamos na esfera da afetividade, onde uma série de características das grandes cidades modernas se mostra decisiva na mudança de percepção frente aos animais de estimação. Em um outro pólo, encontra-se os criadores de cães que se definem e se representam através de seus animais, fazendo com que estes tenham uma importante função de distinção social. Permeando a esfera da afetividade e da distinção, encontramos no consumo de cães e para os cães um ponto de contato entre os dois grupos pesquisados, mesmo que este consumo ocorra de forma diferenciada.