Dina Isabel Castañeda Quezad

Banca examinadora

Prof. Marco Antonio Gonçalves (Presidente)
Prof. Marco Aurélio Santana
Prof. Marco Antonio Mello

Resumo

Nesta etnografia algumas das ambigüidades intrínsecas à camelotagem e aos vendedores ambulantes, ou camelôs, que trabalham diariamente no bairro de Copacabana. A simbiose entre cidades e mercados oferece a base teórica para esta discussão, uma vez, que as cidades, e o bairro em questão, se configuram como verdadeiras praças de mercado. Nessa praça de mercado, vende-se todo o tipo de imagens, representações e estereótipos acerca do bairro, da camelotagem, dos camelôs e suas mercadorias. São imagens ambíguas, às vezes complementares, outras vezes conflitantes, negociadas diariamente nas esquinas de Copacabana. As ambigüidades da mercadoria, do lugar, e do eu são alguns dos dilemas trazidos pela modernidade.

Palavras-chave: cidades, mercados, ambigüidade, camelôs, Copacabana.