Resumo

Nesta dissertação, descrevo políticas públicas de patrimônio cultural imaterial sobre bens culturais indígenas segundo suas possíveis relações com os regimes nativos de conhecimento a que se referem. Tomo por base o estudo dos registros da arte kusiwa dos índios Wajãpi do Amapá, em 2002, e da Cachoeira de Iauaretê, no alto rio Uaupés, Amazonas, como lugar sagrado dos povos indígenas dos rios Uaupés e Papuri, em 2006. O objetivo é compreender como as noções nativas dos povos wajãpi, tariana e tukano de cultura e conhecimento informam suas respectivas políticas indígenas de memória e identidade, seja em sua idealização, em sua execução ou nos efeitos que delas supõem. Tomarei como objeto as narrativas de especialistas indígenas e antropólogos elaboradas em processos de patrimonialização. A metodologia de pesquisa se apoiou em revisão bibliográfica de fontes secundárias em etnologia, estudos do patrimônio e teoria antropológica, a revisão da literatura etnográfica wajãpi, tariana e tukano e entrevista semiestruturada.

 

Banca examinadora: Profa. Elsje Lagrou, Presidente

Profa. Luisa Belaunde

Prof. Marco Antonio Gonçalves