Banca examinadora

Profa. Maria Laura Cavalcanti (Presidente)
Prof. Ricardo Gomes Lima
Profa. Myrian Lins de Barros
Prof. José Reginaldo Gonçalves


Resumo

Essa dissertação apresenta uma comparação entre as exposições permanentes do Museu do Folclore Edison Carneiro (MFEC/CNFCP/IPHAN) inauguradas em 1980 e 1984, e busca desenvolver uma reflexão sobre museus e exposições como produtores e legitimadores de discursos sobre o patrimônio e o folclore. A primeira exposição encontra-se mais ligada a paradigma conceitual relacionado aos estudos do folclore e seguido nos tempos áureos da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro. Também indica, contudo, novos caminhos na apreensão das culturas populares. A segunda exposição encontra-se mais marcada pela perspectiva antropológica e pela compreensão do homem através de sua cultura e sociedade, revelando o movimento de renovação conceitual que acompanhou o desenvolvimento de seu projeto museográfico. Nesta etnográfica de cultura. Através da análise dessas exposições buscamos entender as diferentes formas de apropriação e re-significação dos objetos, e a maneira como os paradigmas teóricos presentes nesses diferentes momentos institucionais revelam distintas concepções de patrimônio e folclore. Nosso campo etnográfico foi constituído pela memória produzida pelas exposições através de publicações e entrevistas com atores desses processos. Buscamos entender as práticas patrimoniais presentes na produção dessas exposições a partir de suas particularidades e categorias internas, reconhecendo tanto os estudos de folclore quanto a antropologia como campos de conhecimento legítimos.

Palavras-chave: Museu, patrimônio, exposição, folclore, Estudos do Folclore, Antropologia .