Resumo

Nessa tese será tratado o modo em que o Estado (instituições, pessoas e objetos) controla e julga crimes de contrabando e tráfico de drogas. Isto ocorre no ambiente das fronteiras geopolíticas que separam e unem Argentina e Paraguaia, na cidade de Posadas. Tanto as descrições quanto as narrativas estarão concentradas no como o Estado “se faz” na confluência do Poder Executivo com o Judiciário, tendo como marco o Poder Legislativo em relação aos Códigos Penal e de Processo da Nação. O objetivo geral desse trabalho é construir uma visão de conjunto a partir das perspectivas daqueles que habitam as fronteiras, trabalhando para o Estado, ou passando por ele. Serão contemplados os movimentos minúsculos do trabalho cotidiano. Nestes movimentos poderá se apreciar a vida humana em seus aspectos elementares e nos contextos normativos, propiciando uma reflexão iniludível sobre o velho problema do conceito de “estrutura” como metáfora para entender a vida social. Com esse intuito, em síntese, serão narrados fatos (alguns jurídicos) que acontecem em ambientes de fronteiras (algumas geopolíticas), mas também o modo em que estes ambientes são feitos de fronteiras que se transpõem ou desfazem em contínuos movimentos vitais.

Palavras chaves: Justiça, Narcotráfico, Segurança, Gendarmería Nacional , Investigação, Fronteiras, Experiência, Movimento, Estado, Misiones, Argentina.