Geraldo Jorge Tupinambá Do Valle


Banca examinadora

Regina Célia Reyes Novaes 
Gian Mario Giuliani
Monique Augras
Maria Rosilene Barbosa Alvim

Resumo

Este trabalho trata da trajetória de um político na Amazônia, o ex-governador Gilberto Mestrinho. Da construção de usa imagem pública e dos “ajustes” de suas memórias pessoais às memórias sociais locais. Para isso, lutou por uma identidade regional articulada em termos de similaridades, entre os argumentos culturais de cada um dos grupos locais envolvidos neste processo e os seus próprios argumentos. Se fomos um dia inventados pelos viajantes e estudiosos, somos ainda hoje inventados por governantes, por ecologistas, por diversos atores sociais que agem na região e constroem discursos sobre a Amazônia.
No “ajustamento” dessas memórias, para buscar essa identidade, Gilberto Mestrinho lançou mão de muitos instrumentos da prática política. O principal deles foi ter conseguido basear sua careira em símbolos ancorados no imaginário popular regional, e que bem usados nas suas campanhas, conferiam uma eficácia particular ao seu discurso político. Com a mudança dos contextos históricos porque passou o país após sua redemocratização, e antenado com as novas preocupações do mundo ocidental com a ecologia, Mestrinho consegue estender sua atuação para além do contexto político local.
É alçado ao lugar de “representante” da Amazônia no debate sobre as novas formas de exploração dos ambientes naturais da região. ?Apesar desse novo momento na sua trajetória, ele não abriu mão de antigas referências simbólicas, mudando-as de acordo com as novas demandas, procurando aperfeiçoar sua ação política, mediante o uso de novos idiomas sociais. Passou a usar argumentos “de fora” da região, para aumentar sua legitimidade com os d”de dentro”, e sempre se coloca como genuinamente “de dentro” para desqualificar os projetos que não coincidem os os seus. Mesmo assim, a “invenção” social de outros discursos podem alargar as faixas de possibilidade do debate social na região, com outros agentes que têm contribuições importantes, e podem clarificar com suas vozes, outros ângulos dessas constantes re-invenções sociais.

ABSTRACT

This work is about the way that an Amazon’s politician, the ex-governor Gilberto Mestrinho, built his image, and the “arguments” of his personal memories. For this, he “fought” for a regional identity articulated in form of similarities, among the cultural arguments of each group involved in this process and his personal arguments. If we were invented one day by the travellers and experts, we’re invented, until today, by governants, by ecologists, by a lot of social actors that act in the region and make speeches about Amazon.
In the agreements of these memories, looking for this identity, Gilberto Mestrinho used, in an intensive way, a lot of instruments of his politic experiences. The principal one was that he could base his career in simbols anchored in popular regional imaginary, which were used in a good way in his campaign. These simbols gave a particular efficacy to this politic speech. With the change of the historic context that the country passed after it redemocratization, and attentive with the new preocupation of the ocidental world about ecology, Mestrinho is able to extend his atuation beyond the local politic context.
He was elected to the position of Amazon’s representative in the argument about new ways of its environment exploration of the region. Despite this new moment of his life, he didn’t stop using his old symbolic references, changing them according to the new demands, developing his social politics, using new social languages. He started using arguments “out of” the region to increase his legitimacy with people from Amazon, and he always put himself up as a regional man to disqualify the projects that differed from his ones. However, the social “invention” of other speeches can extend the possibilities of the social argues in this region, with other agents that have important contributions, and can clarify with their voices, other angles of these frequent social re-inventions.