Maria Elizabeth de Andrade Costa

Banca examinadora

Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti
José Guilherme C. Magnani
Luiz Fernando Dias Duarte
Marco Antonio Gonçalves
Emerson Giumbelli

Resumo

Essa tese procura discutir uma matriz discursiva capaz de sustentar o aconselhamento astrológico tal como ele é oferecido e aceito em um setor restrito das camadas médias do Rio de Janeiro. Admitindo-se que a relação céu/terra, aceita pelo segmento-alvo, pode ser abordada como uma linguagem que detém uma sintaxe e uma semântica próprias, o sistema astrológico é primeiro examinado como um sistema de classificação, nos moldes dos sistemas ditos totêmicos. O objetivo é detectar os constituintes formais desse sistema simbólico antes de abordar a consulta astrológica, onde ocorre a leitura ritual de um mapa de nascimento. Por sobre a história que a pessoa conhece a respeito de si mesma, a leitura do mapa natal provoca a emergência de uma outra história, re-significando as experiências de vida. Este trabalho tenta demonstrar que o sistema astrológico oferece um peculiar modelo narrativo, caracterizando, à sua semelhança, as noções de tempo, espaço e agente. As implicações desse modelo na composição de

narrativas de vida e o papel da intervenção de um astrólogo são algumas das questões discutidas.

Palavras-chave: astrologia, cosmologia, modelo narrativo, sistema de classificação.

ABSTRACT

The present thesis aims at discussing a discursive grid that may support the astrological counseling as it is offered to and accepted by a restricted segment of the middle classes in Rio de Janeiro. Assuming that the connection sky/earth, admitted by the target
group, can be approached as a language with its own syntax and semantics, the astrological system is first examined as a classificatory device, much like the so-called totemic systems.
The purpose is to detect the formal mechanisms of this symbolic system, before approaching the astrological consultation, where the ritual reading of a natal map occurs. On top of the story that one knows about oneself, the reading of the natal map provokes the
emergence of another story, prone to rectify the meanings attributed to life experiencies. This work attempts to demonstrate that the astrological system offers a peculiar narrative model, defining, in its own terms, the notions of time, space and agency. The implications of this model to the composition of life narratives as well as the nature of an astrologer’s intervention are among the issues discussed.

Key-words: astrology, classification system, cosmology, narrative model