Karla Von Dollinger Regnier

Banca examinadora

Profa. Dra. Gláucia Kruse Villas Boas, UFRJ
Profa. Dra. Maria Helena de Magalhães Castro, UFRJ
Prof. Dr. Roberto Grün, UFSCAR
Prof. Dr. Simon Schwartzman, IETS


Resumo

Estudo sobre as transformações na substância do mérito a partir da perspectiva das empresas que utilizam anúncios de classificados de empregos para contratação de gerentes e executivos no Brasil durante os anos de 1990 e 2005. Sendo o mérito um principio legitimo para o processo de hierarquização social nas sociedades ocidentais modernas e democráticas, o seu conteúdo não pode ser desconectado daqueles elementos específicos que a cada momento histórico e a cada configuração societal determinada são valorizados como indicadores de desempenhos superiores. Usualmente a pesquisa sociológica e econômica no campo da educação toma apoio na demanda por credenciais escolares como proxi na mensuração do avanço da meritocracia. Diante de contextos onde o incremento e a diversificação da oferta de profissionais titulados geram incertezas quanto à “qualidade” do profissional buscado, outros parâmetros de sinalização são utilizados. Com isso, o desenho do perfil dos candidatos torna-se cada vez mais elevado, complexo e detalhado, tanto no que diz respeito à formação educacional, mas também quanto ao tipo e natureza profissional, a posse de conhecimentos específicos (idiomas,informática, técnicos) assim como de capacidades e competências. Ainda que boa parte destas exigências possa ser interpretada como possuindo um fundo meritocrático (dentro da versão de mérito ´alargado´) e portanto moralmente selecionadas, tais configurações permitem que se identifique a criação de novas cláusulas de barreira que atuam no sentido de manter as ditas posições ocupacionais protegidas da invasão de sujeitos ordinários.