Márcia Leitão Pinheiro

Banca examinadora

Profª. Drª. Glaucia Villas-Bôas – IFCS/UFRJ
Profª. Drª. Patrícia Farias – ESS/UFRJ
Profª. Drª. Sandra Sá Carneiro – IFCH/UERJ
Profª. Drª. Santuza Cambraia Naves – PUC/RJ


Resumo

Este trabalho tem por objetivo analisar a transformação do meio evangélico ao focalizar as produções de “black music gospel” e de eventos efetivadas por leigos. Parte-se do pressuposto de que esses formuladores dialogam com outros produtos de music gospel e com as concepções oficiais acerca da atividade evangelizadora, apresentando outras noções, bens e serviços que escapam das propostas de igrejas e empresas legitimadas, apesar da relação entre mercado e religiosidade. Assim, as modalidades musicais e de atividades em foco constituem empreendimentos não fundados estritamente por diretrizes denominacionais. Seus responsáveis lidam com idéias e bens inclusos em fluxo internacional e sublinham a produção de bens específicos com o foco no entretenimento e em propostas políticas. Trata-se de inscrição de posições no interior do meio religioso decorrentes das ações de produtores em amplo diálogo entre si, com a tradição, com as noções religiosas e políticas em relação ao contingente de fiéis formado por negros e mestiços. A “black music gospel” encontra resistência, desconhecimento e surgem iniciativas voltadas à sua visibilidade. As composições, as articulações e as tensões evidenciam que os empreendimentos e suas condições de elaboração envolvem produtores leigos e fieis com manifestas ações e explicitam outro modo de concepção e manifestação de fé.