Banca examinadora

Mirian Goldenberg
Yvonne Maggie Leers da Costa Ribeiro
Marco Antonio Teixeira Gonçalves

Resumo

Na literatura antropológica, a bruxaria é invariavelmente o espaço do malefício e das acusações. No entanto, é possível verificar hoje, no Brasil, um grupo de mulheres – e homens – que vê na bruxaria um espaço religioso vinculado ao paganismo e ao culto da natureza, onde uma Deusa e um Deus são adorados com atributos sexuais e de gênero bem marcados, Esta bruxaria moderna, vinculada em parte ao mundo esotérico da Nova Era, é chamada wicca. Nesta cosmologia, o feminino representa um papel central, o que permite que a wicca seja um local de construção de uma determinada identidade feminina. Sujeito classicamente vinculado à natureza, a mulher mantém essa ligação na wicca e, conseqüentemente, sua ligação com a magia. A reafirmação da diferença e dos atributos tradicionais de gênero é, do meu ponto de vista, a intenção de construir um novo papel para a mulher.

ABSTRACT

At the anthropologic tradition, witchcraft is always seen as the space of evil and accusations. Nevertheless, there is a group of women – and men – in Brazil nowadays that sees witchcraft as a religious space in the pagan field and earth cults, where a Goddess and a God are honored within strong lines of sexual and gender attributes. This modern witchcraft, here seen as part of the New Age movement, is called wicca. In this cosmology, the feminine represents a central role, and it allows wicca to be a space of building a certain female identity. Classically a subject in very straight touch with nature, the woman keeps this association within the wicca and consequently her association with magic. The affirmation of the traditional difference and attributes of gender is, in my point of view, the intention of building a new role for the woman today.