Banca examinadora

Profa. Neide Esterci
Prof. Henri Acselrad
Prof. Marcelo Sampaio Carneiro

Resumo

A partir de pesquisa realizada no Estado do Amazonas junto às “populações ribeirinhas” e à Comissão Pastoral da Terra, o presente trabalho trata do processo através do qual esses atores passaram a relacionar a situação de conflito enfrentada nos ambientes pesqueiros aos dilemas da conservação do meio ambiente. Situando questões relativas aos estudos da Ecologia Simbólica e da Sociologia da Crítica, discute-se como esses atores vincularam suas antigas reivindicações sociais à problemática ambiental, construindo uma crítica socioambientalista para denunciar os efeitos resultantes da intensificação da pesca comercial. Serão investigadas a dinâmica motivacional dos “ribeirinhos” para se organizarem contra a “pesca predatória”, além de questões relativas à justificativa desses atores para reivindicar uma nova forma de relação entre os homens e a natureza. Essas questões nos permitem compreender o conjunto de idéias e princípios que as “populações ribeirinhas” têm como orientação de suas ações ambientalistas.

Palavras-chave: 1. Socioambientalismo. 2. Populações ribeirinhas. 3. Igreja Católica. 4. Conflitos ambientais.