Luiz Alberto Alves Couceiro

Banca examinadora

Profa. Yvonne Maggie (Presidente)
Prof. Peter Fry
Prof. Marco Antonio Gonçalves
Profa. Lygia Sigaud
Prof. José Roberto Pinto de Góes

Resumo

Esta tese é um estudo sobre a crença na feitiçaria no Império do Brasil. A pesquisa que deu origem à tese mostrou que não existem leis reguladoras das acusações de feitiçarias no Império, ao contrário da colônia e do período republicano. Vários tipos de documentos da época nos ajudaram a demonstrar, no entanto, que a crença no feitiço, no Império do Brasil, assim como na República, perpassava todas as classes sociais. Analisamos casos paradigmáticos para desvendar o sistema de crenças mágico-religiosas. Os casos se referem a notícias de jornal sobre terreiros de candomblé em Salvador e uma argüição de um personagem chamado Pai Gavião, um espírito que falava através de um escravo africano em São Paulo. Analisamos também um processo criminal sobre homicídios por escravos por meio da prática de feitiçaria no Rio de Janeiro e o processo que condenou Juca Rosa, um renomado pai de santo, no Rio de Janeiro.

Palavras-Chave: Acusações de feitiçaria; antropologia das religiões afro-brasileiras; antropologia da escravidão.