Esta tese é um estudo antropológico acerca dos novos significados atribuídos a intolerância e à liberdade religiosa. Tem como objetivo responder à seguinte pergunta:O que há de novo no horizonte das relações entre as religiões na sociedade brasileira para que se organize um movimento social no sentido de exigir a ação do Estado para a erradicação do que é definido como “intolerância religiosa” e para a promoção do que é chamado de “liberdade religiosa”? O trabalho de campo foi realizado em vários eventos promovidos pelos movimentos sociais e pelo Estado; também foram feitas leituras de documentos, relatórios e cartilhas e foram ouvidos religiosos. Sete personagens aparecem com suas histórias de vida. A pesquisa de campo possibilitou a compreensão que os novos movimentos de combate à intolerância religiosa relacionam-se menos com os preceitos legais de garantia de crença e culto e mais com a formação e a manutenção de identidades particulares, em especial, as identidades afro-brasileiras.

 

Banca examinadora:
Profa. Yvonne Maggie, Presidente
Profa. Maria Laura Cavalcanti
Prof. Jean-François Véran
Prof. Peter Fry
Prof. Fabiano Dias Monteiro