Banca examinadora:

Regina Novaes
Márcia Leite
Emerson Giumbelli

RESUMO

Considerando a metrópole contemporânea enquanto lócus privilegiado de construções sócio-culturais de medos e anseios bastante específicos, este trabalho se debruça sobre manifestações desses sentimentos a partir do convívio com taxistas de um ponto situado em um bairro da zona sul do rio e Janeiro. Seu objetivo central é compreender como um grupo de taxistas se relaciona com a cidade, com seus personagens, com sua geografia e territórios diversificados. O trabalho de campo foi realizado durante seis meses, permitindo recolher narrativas sobre preocupações e medos que povoam o imaginário dos taxistas expressando especificidades de sua profissão que se realiza em um contexto socialmente reconhecido como de “violência urbana”. As narrativas que envolvem “trabalho” e “violência” se diferenciam, se conjugam, se mesclam. Trajetórias pessoais evidenciam conflitos e solidariedade. Auto-imagens e outras dimensões da sociabilidade do grupo de taxistas são estudadas como expressões da vida social contemporânea.
Palavras-chave: Taxistas do/no Rio de Janeiro; etnografia urbana; medos, preocupações e anseios.