Tese submetida ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA), do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS), da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutora em Sociologia com ênfase em Antropologia.

 

Esta tese analisa a criação de um mundo constituído por imagens. No Cariri cearense, pessoas, animais, seres híbridos, sonhos, cosmologias e objetos ganham forma e existência quando passam a agir através de esculturas, desenhos, cordéis e xilogravuras. Palavras, formas, texturas, sombras, luzes e cores, criadas na relação entre a natureza e a imaginação humana, transitam entre o visível e o invisível, produzindo experiências, sensações e sentidos. Num mundo em que real, imaginário, memória, sonho e imaginação se misturam, os objetos artísticos são imagens condensadas de significações simbólicas. Neste sentido, os objetos artísticos são pontos de partida para que os artistas apresentem seus pontos de vista sobre os processos e técnicas de criação desenvolvidas por meio da experimentação, conceitos elaborados acerca de suas artes e ontologias. Os conceitos propostos pela antropologia da arte, por sua vez, em diálogo com os conceitos dos artistas permitem descortinar as técnicas, os efeitos estéticos, as intencionalidades presentes nas narrativas em verso, nas imagens gravadas no papel e nas esculturas que, por meio da condensação, produzem encantamento e agência. A tese investiga também como estas artes se desenvolveram no Cariri cearense, especialmente a partir do artesanato de Juazeiro do Norte, do fluxo de pessoas e de múltiplas culturas, colocando em fusão ofícios, saberes, memórias que criaram modos de produção cultural particulares e híbridos. Acompanha como os artistas desenvolveram estratégias de comercialização destes artefatos através da Cooperativa Artesanal do Cariri (COCADA), da Associação de Artesãos do Padre Cícero, da Lira Nordestina, da Associação de Artistas e Amigos das Artes (AMAR) e do Centro de Cultura Popular Mestre Noza, cooperativas e associações que colocaram os artistas de Juazeiro do Norte em contato com outros contextos e agentes. Deslocados dos lugares de produção, as imagens do Cariri cearense condensadas em cordéis, xilogravuras e esculturas passam a integrar outros circuitos – como galerias, centros culturais e museus – quando são tomadas por intelectuais para justificar a formulação de categorias outras – como a categoria arte popular – ausentes no discurso nativo, e ações como o colecionamento, as exposições e a criação de museus.

Palavras-chave: antropologia, arte, Juazeiro do Norte, imagens

 

Banca examinadora:

Prof. Marco Antonio Gonçalves, Presidente

Profa. Elsje Lagrou

Profa. Maria Laura Cavalcanti

Prof. Ricardo Gomes

Prof. Roberto Marques