Banca examinadora

Prof. Luiz Antonio Machado da Silva (orientador)
Prof. Jean François Véran
Profa. Regina Novaes
Profa. Liv Sovik
Profa. Maria de Fátima Cabral M. Gomes


Resumo

Como um fenômeno cultural de massa, os bailes denominados na cidade do Rio de Janeiro como “bailes funk” constituem o objeto desta tese. O objetivo é compreender as práticas culturais relacionadas ao baile. Ou seja, circuitos de composição, relação com as gravadoras, com o tráfico local e principalmente as classificações identitárias em torno do termo “funkeiro”, que desde a década de 90 têm implicações diretas nas discussões sobre ordem urbana. O universo empírico localiza-se em favelas cariocas e mais especificamente interessam os “bailes de comunidade”. Contudo os impactos destes bailes e do funk comoexpressão de uma parcela da juventude pobre, transcendem os territórios de favela. A pesquisa fundamenta-se em entrevistas, etnografia, análise de documentos, jornais e letras de música para problematização da relação entre práticas culturais, classificações e estigma. Uma hipótese desta pesquisa aponta para existência de disputas simbólicas entre diversos atores dentro e fora das favelas pesquisadas. Neste sentido, o funk como termo polissêmico é tema para discussões sobre ordem urbana, estética, entretenimento, geração de renda,etc. Esta hipótese reforça o argumento sobre a necessidade de estudar o fenômeno não apenas como forma de entretenimento mas como importante eixo articulador de mapas cognitivos em circulação na cidade do Rio de Janeiro.

 Palavras-chave: práticas culturais, estigma, favela, ordem urbana, funk.