Carolina Christoph Grillo

Banca examinadora

Prof. Michel Misse (Presidente)
Prof. Antonio Carlos Rafael Barbosa
Prof. Pedro Paulo de Oliveira Martins

Resumo

Nesta dissertação são apresentados os resultados de uma pesquisa de campo realizada com traficantes de classe média do Rio de Janeiro e Niterói, com idades entre os vinte e os trinta e cinco anos. Os dados foram colhidos através da observação participante e de entrevistas informais realizadas com traficantes em liberdade, dos quais a pesquisadora se aproximou, acionando redes de relações a partir do conhecimento, anterior à pesquisa, de vários dos informantes estudados. As análises debruçam-se sobre os casos coletados e sobre o discurso dos traficantes com os quais foi possível conversar, buscando elucidar a dinâmica do mercado ilegal de drogas praticado por jovens de classe média, bem como compreender os sistemas de referências compartilhadas pelos mesmos, desenhando gradualmente um estilo de vida.

O contraponto com as redes do tráfico operantes nas aglomerações de moradia de baixa renda permite conceber o chamado trafico “da pista” e do “do asfalto” enquanto uma modalidade particular desse mercado, caracterizada por uma sociabilidade própria. São identificadas as formas de organização, hierarquia e implantação territorial em que a rede estudada funciona, apontando as circunstâncias sob as quais é possível a manutenção de uma “sociabilidade normalizada” em torno do comércio ilegal de drogas, caracterizada pelo repudio ao usos da violência na resolução dos conflitos. A descrição da circulação da confiança, dos interesses, do crédito e do prestígio completa o estudo de caso apresentado que trata de objeto ainda pouco explorado pelas ciências sociais no Brasil.Palavras-chave: drogas, classe média, sociabilidade, mercados ilegais, juventude.