Paula Cristina Santos Menezes

Resumo:

Esta tese parte de um estudo comparativo entre duas cidades que tem sua base econômica no setor têxtil e de confecções:a cidade de Nova Friburgo, localizada no Rio de Janeiro, Brasil; a cidade de Valdagno, localizada na província de Vicenza,região do Vêneto, Itália. Em ambas cidades,a presença de grandes fábricas estabelece regimes fabris típicos deste setor industrial, que são transformados com a conversão destas empresas em multinacionais. Procuramos acompanhar as mudanças nas relações entre estas multinacionais com o território, a classe trabalhadora local e o Estado. Tentamos relacionar estas mudanças com fenômenos que tem sido apontados pela literatura sociológica como fundamentos da nova era global: as formas de dominação e resistência individuais ou coletivas) que caracterizam os novos regimes fabris; a (re) feminização dos mercados de trabalho e os novos arranjos de conciliação vida/trabalho das famílias de trabalhadores; as formas de regulação da relação capital-­‐trabalho diante das tendências de mercantilização e flexibilização do trabalho

Palavras-chave:

Flexibilização, Feminização do mercado de trabalho, Globalização e Divisão Internacional do Trabalho, Regimes Fabris, Indústria têxtil e de confecções

Abstract:

This thesis was based on a comparative study between two cities that have their economic foundations on the Textile and Clothing Industry: the city of Nova Friburgo, located at Rio de Janeiro, Brasil; and the city of Valdagno, in the province of Vicenza, Veneto, Italy. Both cities have had large companies and tipical fabric regimes of this industrial sector transformed by the conversion of such companies in multinationals. We follow these changes throught the analyses of the relation between those companies with the respective territories, local working classes and the State. We try to relate these elements with issues that have been pointed out by sociological literature as key patterns of the new Global Era: modes of domination and (individual and collective) resistance that characterize new fabric regimes; the re (feminization) of labour markets and the adjustments of work-­‐life balance built by working class families; the forms of capital-­‐labour regulation against commodification and flexibilization trends.

Keywords:

Flexibilization, Feminization of labour markets, Globalization and International Division of Labour, Fabric Regimes, Textile and Clothing Industry

Orientador:

PAOLA CAPPELLIN GIULIANI