Banca examinadora

Profa. Mirian Goldenberg
Prof. Paulo César Rodrigues Carrano

Resumo

Em um contexto social caracterizado pela presença de ONGs, pela proliferação das rádios comunitárias e pela maior visibilidade da cultura Hip Hop no Brasil, o grupo Melanina, fundado em 2004, no Rio de Janeiro se propõe a atuar entre “mulheres de comunidade carentes, trabalhando e valorizando sua auto-estima através da mídia e procurando reintegra-las no mercado de trabalho”.
A presente dissertação busca apreender de que forma a categoria auto-estima se faz presente tanto nas representações e praticas das participantes, quanto nas definições dos projetos e identidade do grupo. Sua abordagem conceitual parte da compreensão de que trajetórias individuais não só refletem condições sociais determinadas, mas também modificam contextos e contribuem para ampliar o campo de possibilidades em que se movem grupos sociais específicos.
Otrabalho de campo foi feito através de entrevistas em profundidade com as criadoras do Melanina e da análise de materiais produzidos pelo grupo (programas de rádio, materiais de divulgação etc.) e sobre ele (noticias de jornais e de paginas eletrônicas). O estudo realizado permitiu concluir que a noção de auto-estima opera, para este grupo e suas integrantes, a articulação entre discriminações produzidas por relações raciais, de gênero e de classe profundamente desiguais, possibilitando ao grupo a re-elaboração de identidades subalternas e a transformação de símbolos de estigma em emblemas.


Abstract
In a social context characterized by the presence of non governmental organizations, the proliferation of community radios and the broader visibility of Hip Hop culture in Brazil, Melanina group, founded in 2004 in Rio de Janeiro, intends to actuate among “women of low income communities, working and appraising their self-esteem through the media and aiming at their reintegration into the labor market” The present dissertation attempts to apprehend in which way the category ‘self-esteem’ is present both in the representations and actions of the group members as in the project definitions/ guidelines and group identity. The conceptual approach comes from the comprehension that the personal trajectories not only reflect determined social conditions, but also modify contexts and contribute to enlarge the possibilities in which the specific social groups move.
The field work was elaborated through long interviews with Melanina’s founders and the analysis of material produced by the group (radio shows, publicizing materials etc.) and about the group (newspaper reports and websites). The study led to the conclusion that the notion of self-esteem works for this group and its members, as the articulation between discriminations produced by race, gender and class relations profoundly unequal, making possible to this group the re-elaboration of subaltern identities and the transformation of
stigma symbols into emblems.