Alessandra Carvalho

Banca examinadora

Profa. Elisa Reis (orientadora)
Prof. Charles Pessanha
Prof. Marco Aurélio Santana
Profa. Marieta de Moraes Ferreira
Prof. Otávio Dulci

Resumo

A tese analise as elites políticas brasileiras que atuaram durante o regime militar, partindo do pressuposto de que a instalação do governo ditatorial e do bipartidarismo não significou a interrupção das atividades políticas. O foco principal recai sobre os deputados federais e senadores eleitos pela Arena e MDB entre 1966 e 1978. A análise do perfil sociológico dos parlamentares permitiu identificar as bases sociais do recrutamento partidário, relacionando-as a aspectos ideológicos de cada legenda. A permanência de forças políticas anteriores a 1964 e ascensão de novas lideranças foram discutidas através da análise das gerações presentes no Congresso Nacional e de suas migrações ao longo de três sistemas partidários. Por fim, a investigação das relações entre as elites políticas e o Estado autoritário revelou o papel crucial desempenhado pelas primeiras na sustentação do regime, indicando os limites da lógica tecnocrática assim como os espaços abertos para as interações dos parlamentares com a sociedade.

Palavras-chave: elites políticas, regime autoritário, perfil sociológico, gerações, sistema bipartidário.