Pricila Loretti Tavares

Banca examinadora

Prof. Luiz Antonio Machado da Silva, Presidente
Prof. Marco Antonio da Silva Melo;
Profa. Neiva Vieira da Cunha;
Prof. Fernando Rabossi

 

Resumo

Uma vez fora da esfera econômica, uma grande quantidade de produtos e utensílios domésticos ocupam ao espaço público. Sem perder de vista as variadas formas de classificação, que um objeto é capaz de assumir em diferentes mercados, a etnografia de uma feira sazional pretende trazer à reflexão as implicações sobre o retorno de objetos a um mercado complexo e duvidoso – a saber, o de “antiguidades”. Entretanto, essa forma de classificação escorregadia e de difícil definição, que dá nome a feira, não é alcançada por qualquer objeto. De maneira que, o conhecimento de narrativas sobre a trajetória das coisas comercializada no âmbito da feira pode contribuir para compreensão do processo de valorização/desvalorização de mercadorias e seus diferentes modos de classificação através da relação entre vendedores e compradores da feira. O processo de valorização desses objetos a partir da Feira de Antiguidades da Praça XV é o assunto principal desta pesquisa de campo.