Vitor Henrique de Siqueira Jasper

Resumo:

Visto a partir de uma perspectiva técnica, o transplante hepático é um procedimento cirúrgico que visa a substituição de um fígado doente por outro considerado saudável. Assim, trata-se de uma cirurgia de grande porte, cuja finalidade é salvar a vida do sujeito enfermo. Reconhecendo que o transplante hepático afeta a vida das pessoas mesmo antes da realização do procedimento cirúrgico e que seus efeitos alteram o modo como estas pessoas se colocariam no mundo, o objetivo do trabalho foi apreender a complexidade do transplante hepático e como ele se inseria no emaranhado de linhas que conformam a vida dos sujeitos que passaram por tal procedimento. Para tanto, foi desenvolvida uma etnografia em um Serviço de Transplante Hepático de um hospital universitário sediado em uma capital brasileira de média porte e entrevistas semiestruturadas com pós-transplantados. Além de apontar para o caráter processual do transplante – cujas atividades se iniciam no momento em que o sujeito é listado para a espera do novo fígado, e se mantêm mesmo após o procedimento cirúrgico –, esta pesquisa demonstrou que a organização das práticas no Serviço, bem como as demandas colocadas pela equipe (visitas regulares ao hospital, cuidado com hábitos de vida e o uso da medicação), permitem compreender o transplante hepático como uma nova condição crônica.

Palavras-chave:

Antropologia da saúde;transplante hepático;cronicidade

Abstract:

From a technical perspective, liver transplant is a surgical procedure that aims to replace a diseased liver for another considered healthy. Thus, it is a major surgery which seeks to save the patient’s life. Acknowledging that the liver transplantation affects people’s lives since before the surgical procedure and that its effects change the way these people place themselves in the world, the objective of this dissertation was to apprehend the complexity of liver transplantation and how it is inserted in the entanglement of lines that make up the lives of individuals who have undergone this procedure. For this purpose, an ethnography was developed in a Liver Transplant Service at a university hospital based in a Brazilian capital of average size, as well as semi-structured interviews with post-transplanted people. Besides emphasizing the processual character of the transplant – whose activities begin at the moment the subject is included on the waiting listed for the new liver, and are maintained even after the surgical procedure –, this research evidenced that the organization of practices at the Transplant Service, as well as the demands posed by the Service’s staff (that the patients regularly visits the hospital, that they are careful of living habits and medication use), enable us to understand liver transplantation as a new chronic condition.

Keywords:

Health Anthropology;Chronicity;liver transplant

Orientador:

OCTAVIO ANDRES RAMON BONET