Esta é uma tese sobre o Crime em favelas do Rio de Janeiro, controladas pela facção do tráfico de drogas intitulada Comando Vermelho. Com base em mais de dois anos de trabalho de campo etnográfico em favelas, realizado em cooperação com moradores e bandidos locais, será esboçada uma teoria etnográfica do Crime ou mundo do crime carioca. Tais categorias nativas remetem à articulação entre um complexo de condutas e uma esfera de convergência de visões de mundo e atitudes morais, de maneira a compor um ordenamento, isto é, uma forma de vida social organizada. O ponto de partida metodológico adotado para se escrever sobre o Crime é o acompanhamento das práticas dos bandidos estudados (incluindo pensar, imaginar e falar), de maneira a traçar as suas formações sociais, relações de troca e de poder, ética, estética, estratégia e construção de pessoa. Trata-se de uma descrição analítica da socialidade criminal em favelas, em um momento específico da história do Comando Vermelho. O objetivo deste trabalho é tornar o Crime inteligível para leitores que pouco ou nada conhecem sobre esta forma de vida e convidá-los a refletir sobre as questões que permeiam a existência dos bandidos de morro no Rio de Janeiro.