RESUMO

Essa pesquisa buscou delinear o que se tem proposto para o ensino de sociologia no ensino médio a partir de uma análise interpretativa de quatro entre os manuais didáticos de sociologia para o ensino médio publicados a partir da década de 1980, no Brasil. Descreve e analisa a estrutura, as principais idéias e a lógica que ordena e orienta os textos dos manuais investigados e sistematiza a produção acadêmica anterior. A dissertação conclui que os manuais da disciplina reproduzem um ensino com forte ênfase conceitual e fundamentado no pressuposto da sociologia como propiciadora de uma “consciência crítica” interventora sobre a realidade social e relevante para o desenvolvimento da cidadania. Também procura sistematizar a produção recente sobre a sociologia no ensino médio a partir da recuperação de quatro dissertações de mestrado, incluindo outros estudos realizados, e sugere que o campo das ciências sociais, especialmente no ensino médio, é articulado por um sentimento missionário, um sentido civilizacional, não raro entre as teorias e políticas educacionais brasileiras. Disso decorre uma possível linha de continuidade entre esses manuais e os primeiros escritos e publicados por intelectuais brasileiros nas primeiras décadas do século XX. Por fim, essa dissertação discute a indiferença com que vem sendo tratadas as questões próprias do ensino das disciplinas do campo das ciências sociais no ensino médio, que mantém invisível aos cientistas sociais a possibilidade de os manuais didáticos serem considerados produções legítimas e relevantes da inteligência brasileira ou, ao menos, serem fontes reveladoras do campo científico das ciências sociais.