Resumo

Esta dissertação tem como finalidade discutir o programa de ação afirmativa “Bolsa-Prêmio de Vocação para a Diplomacia”, destinado a beneficiar os “afro-descendentes, implementado pelo Instituto Rio Branco, órgão do Ministério das Relações Exteriores, responsável pela seleção e formação de diplomatas brasileiros, que tem como meta uma representação mais “diversificada”do Brasil no exterior. Iniciado em 2002, o programa concedeu bolsas a 20 candidatos, selecionados de um grupo de quatrocentos e três que se auto-declararam “afro-descendentes”, para se prepararem para o Concurso do Instituto Rio Branco.
Com base nesses números, acreditamos que há uma demanda “reprimida”de uma “classe média negra”intelectualmente preparada pleiteando ingressar no “grupo de socioeconômico e educacional desses candidatos, de sua mobilidade social, da representação social do “grupo”sobre si, da experiência vivida durante o processo de preparação para o Concurso de admissão à carreira de Diplomata, da avaliação dos motivos e das experiências da carreira de diplomata e a opinião dos bolsistas sobre o programa de ação afirmativa do Rio Branco.