Banca examinadora

Profa. Karina Kuschnir, Presidente
Prof. Marco Antonio Gonçalves
Profa. Consuelo Lin

Resumo

Este trabalho analisa os documentaristas Eduardo Coutinho, Eduardo Escorel e João Salles. Com base em entrevistas, conversas, debates, artigos e aulas dos cineastas, o material da pesquisa é usado inicialmente para reconstituir, nos termos de Howard Becker, um mundo do cinema documentário e seus traços componentes.
Posteriormente, serve à tentativa de elucidar o entendimento do conceito documentário que têm os três cineastas. O cinema documental é fruto do ideário que sustenta a antropologia em sua fase “moderna”. Próximos também na contemporaneidade, os debates antropológicos e a visão de documentário são mobilizados pela preocupação comum em relação às condições de realização das respectivas obras: produtos inerentemente derivados de relações assimétricas.
Documentário é visto pelos personagens centrais deste trabalho como resultado de uma interação. Fundamenta-se, portanto, em premissas (lógicas) e condutas (comportamentais) de ordem ética. Âmbito de constante re-encenação de normas, hierarquias e valores, a dinâmica do mundo do documentário inspira reflexões sobre o universo social contemporâneo. Lançar foco sobre a ênfase que se dá à ética neste cenário permite perceber como este valor cria na sociedade lugares, afetos, conceitos, posicionamentos, visões e ações.