O curso visa discutir um dos temas centrais da sociologia desde sua formação no século XIX, o qual, aliás,emprestou-lhe perfil próprio face às outras ciências sociais. Num primeiro momento, buscar-se-á analisar brevemente como o tema da modernidade surgiu nas obras de Marx e Weber, assim como no principal continuador de Spencer e Durkheim,Parsons, para em seguida discutir as diversas interpretações da modernidade -“alta”, avançada, em crise ou mesmo “pós” – que se pode encontrar na literatura sociológica contemporânea.

O segundo módulo do curso debruçar-se-á sobre a modernidade brasileira no século XX, até aproximadamente os anos 70. Para esse período encontram-se disponíveis algumas das principais interpretações sociológicas gerais da sociedade brasileira. O terceiro módulo concluirá o curso buscando, através de uma análise de algumas peças importantes da literatura recente de ciências sociais no Brasil,mas fazendo uso também dos conceitos sugeridos pelos módulos anteriores, avançar na direção das características e significado da modernidade brasileira contemporânea. As características particulares da modernidade brasileira serãodestacadas no curso das discussões.

Três conceitos principaisdeverão ser explorados ao longo do curso: modernidade,tradição e reflexividade.Enquanto que as duas primeiras referem-se substantivamente a fenômenos historicamente localizados, a última categoria aponta para uma faculdade individual e social que, se bem que acentuada pelos “desencaixes” produzidos pela modernidade, é pervasiva e característica da espécie humana. Uma discussão específica será desenvolvida de modo a fundamentar as discussões substantivas do curso e a hipótese de que o Brasil caracteriza-se como país que esforça-se hoje essencialmente para aprofundar, reflexivamente, a institucionalização das tradições modernas.

Especial ênfase será dada às formas de “justificação” vigentes na sociedade brasileira hoje, e possivelmente ao tema do direito.

BIBLIOGRAFIA

I)TEORIAS DA MODERNIDADE

Jeffrey Alexander, 1995 Fin-de-Siécle Social Theory (Londres, Verso), cap. 1.

Jean Baudrillard, 1968 Le Système des objets(Paris, Gallimard).

Zigmund Bauman, 1992 Intimations of Postmodernity(Londres, Routledge).

Ulrich Beck, 1986 Risk Society. Towards a New Modernity (Londres, Sage, 1992).

Daniel Bell, 1976 The Cultural Contradictions of Capitalism (Nova Iorque, Basic Books, 1978).

Reinhard Bendix, 1967 “Tradition and Modernity Reconsidered”, in Nation-Buildingand Citizenship (Berkeley e Los Angeles, University of California Press,1977).

Marshall Berman, 1982 All that is solid Melts into Air (Nova Iorque, Simon and Schuster).

José Maurício Domingues, 1993 “Sociologia, globalização e cultura”, Contexto internacional, vol. 15.

Shmuel Eisenstadt, 1993 “O panorama civilizacional contemporâneo: uma ou mais civilizações modernas”, Análise social, no. 122.

Mike Featherstone, 1991 Consumer Culture & Postmodernism (Londres, Sage).

Anthony Giddens, 1990 The Consequences of Modernity (Cambridge, Polity).

Anthony Giddens, 1991 Modernity and Self-Identity(Cambridge, Polity).

Jürgen Habermas, 1981a The Theory of Communicative Action (Boston, Beacon).

Fredric Jameson, 1991 Postmodernism, or, The Cultural Logic of Late Capitalism (Durham, N. C., Duke University Press).

Jean-François Lyotard, 1979 La Condition postmoderne (Paris, Minuit).

Alberto Melucci, 1996a Challeging Codes(Cambridge, Cambridge University Press).

Alberto Melucci, 1996b The Playing Self(Cambridge, Cambridge University Press).

Karl Polanyi, 1944 The Great Transformation(Boston, Beacon, 1957).

Roland Robertson, 1992 Global Culture(Londres, Sage).

Scott Lash e John Urry, 1987 The End of Organized Capitalism (Cambridge, Polity).

Scott Lash e John Urry, 1994 Economies of Signand Space (Londres, Sage).

Michel Maffesoli 1988 Le Temps des tribus(Paris, Méridiens Klinksieck).

Karl Mannheim, 1925 Conservatism (Londres,Routledge & Kegan Paul, 1986).

Karl Marx e Friedrich Engels, 1848 Manifesto do Partido Comunista, in Obras Escolhias(São Paulo, Alfa-Ômega, s/d).

Talcott Parsons, 1971 The System of Modern Society(Englewood Cliffs, Prentice-Hall).

Boaventura de Souza Santos, 1995a Pela mão de Alice.O social e o político na pós-modernidade (São Paulo, Cortez).

Charles Taylor, 1989 Sources of the Self(Cambridge, MA, Harvard University Press).

John B. Thompson, 1995 The Media and Modernity(Cambridge, Polity).

Alain Touraine, 1992 Critique de la modernité(Paris, Fayard).

Roberto Mangabeira Unger, 1975 O direito na sociedade moderna (Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1977).

Peter Wagner, 1994 A Sociology of Modernity(Londres, Routledge).

Max Weber, 1905 “Introdução”, in A ética protestante e o espírito do capitalismo (São Paulo, Pioneira,1967).

II) A SOCIOLOGIA BRASILEIRA ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE

Neuma Aguiar, 1995 “Brazilian Sociology: Trends and Challenges”, American Sociologist, vol. 26.

José Maurício Domingues, 1992 “A América. Intelectuais, interpretações e identidades”, Dados, vol. 35.

Raymundo Faoro, 1958 Os donos do poder (Porto Alegre, Globo).

Florestan Fernandes, 1977 A revolução burguesa noBrasil (Rio de Janeiro, Zahar).

Sérgio Buarque de Holanda, 1936 Raízes do Brasil(Rio de Janeiro, José Olympio, 1983).

Richard Morse, 1982 El espejo de Próspero (México,Siglo XXI).

Wanderley Guilherme dos Santos, 1979 Cidadania e justiça (Rio de Janeiro, Campus).

Simon Schwartzman, 1982 Bases do autoritarismo brasileiro (São Paulo, Campus).

Luiz Werneck Vianna, 1978 Liberalismo e sindicato no Brasil (São Paulo, Paz e Terra).

III) A MODERNIDADE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA

Ricardo Antunes, 1996 Adeus ao trabalho? (São Paulo, Cortez).

Leonardo Avritzer, 1996 A moralidade da democracia(São Paulo, Perspectiva e Belo Horizonte, Ed. da UFMG).

Amélia Cohn, 1994 “Políticas sociais e pobreza no Brasil”,Planejamento e políticas públicas, no. 12.

José Maurício Domingues, 1997 Tradição, modernidade e reflexividade no Brasil contemporâneo, trabalho apresentado na XXI Reunião da ANPOCS.

Eunice Durham, 1986 “A sociedade vista da periferia”, Revista Brasileira de ciências sociais, no. 1.

Sérvulo Figueira, 1981 “Modernização da família e desorientação: uma das raízes do psicologismo no Brasil”, in Sérvulo Figueira (org.), Cultura da psicanálise (São Paulo, Brasiliense, 1985).

Cláudia Fonseca, 1987 “Aliados e rivais na família: o conflito entre consangüíneos e afins em uma vila porto-alegrense”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, no. 4.

Antônio Sérgio Guimarães e Nadya de A. Castro, 1990 “Trabalho, sindicalismo e reconversão industrial no Brasil dos anos 90”, Luanova, no. 22.

Mauro G. Pinheiro Koury, 1996 “Cultura e subjetividade: questões sobre a relação luto e sociedade”, in Mauro G. Pinheiro Koury e tal. (orgs.), Cultura &subjetividade (João Pessoa, UFPB/Editora Universitária).

Ricardo Mariano, 1996 “Os neopentecostais e a Teologia da Prosperidade”, Novos estudos CEBRAP, no. 44.

Cecília L. Mariz, 1994 Coping with Povety:Pentecostals and Christian Base Communities in Brazil (Philadelphia, Temple University Press).

Paula Montero, 1994 “Magia, racionalidade e sujeitos políticos”, Revista brasileira de ciências sociais, no. 26.

Renato Ortiz, 1988 A moderna tradição brasileira (São Paulo, Brasiliense).

Reginaldo Prandi, 1992 “Perto da magia, longe da política”, Novos estudos CEBRAP, no. 34.

Reginaldo Prandi, 1994 “Pombagira dos Candomblés e Umbandas e as faces inconfessas do Brasil”, Revista brasileira de ciências sociais, no. 26.

Elisa P. Reis, 1995 “Desigualdade e solidariedade – uma releitura do ‘familismoamoral’ de Banfield”, Revista brasileira de ciências sociais, no. 29.

Araky M. Rodrigues e Francine Muel-Dreyfus, 1987 “Reencarnações. Notas de pesquisa sobre uma seita espírita de Brasília”, Revista brasileira de ciências sociais, no. 3.

Lívio Sansoni, 1995 “O local e o global na Afro-Bahia contemporânea”, Revista brasileira de ciências sociais, no. 29.

Wanderley Guilherme dos Santos, 1988 Paradoxos do liberalismo (São Paulo, Vértice e Rio de Janeiro, IUPERJ), cap. 4.

Ilse Schwer-Warren e Paulo Krischke (orgs.), 1987 Uma revolução no cotidiano?: os novos movimentos sociais na América do Sul (São Paulo, Brasiliense).

Luiz Eduardo Soares, 1989 “Religioso por natureza: cultura alternativa e misticismo ecológico no Brasil”, in O rigor da indisciplina (Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1994).

LuizE duardo Soares, 1990 “O Santo Daime no Contexto da Nova Consciência Religiosa”, in O rigor da indisciplina (Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1994).

Muniz Sodré, 1977 O monopólio da fala(Petrópolis, Vozes, 1989).

Gilberto Velho, 1981 Individualismo e cultura(Rio de Janeiro, Zahar).

Hermano Vianna, 1988 O mundo funk carioca (Rio de Janeiro, Zahar).

Hermano Vianna (org.), 1997 Galeras cariocas(Rio de Janeiro, Editora da UFRJ).

Luiz Werneck Vianna, 1991 De um plano Collor a outro (Rio de Janeiro, Revan).