EMENTA:

A disciplina objetiva discutir alguns impasses centrais e tenazes das relações entre Estado, sociedade e cultura no âmbito da construção do Estado-nação como comunidade política típica da modernidade no Brasil. Para efeitos analíticos destaca o tema da “solidariedade social” como princípio básico de coordenação societária para a compreensão das tensões sociais imprimidas na realização daquele processo histórico numa sociedade de matriz colonial, como a brasileira. Do mesmo modo, problematiza no tema da solidariedade social duas dimensões teóricas nem sempre distinguidas: a da solidariedade como “sentimentos de pertencimento” experimentados pelos atores nas práticas sociais e a da solidariedade como capacidade associativa para a “ação coletiva”. O exame da problemática far-se-á, após a recuperação de sua formulação teórica pela sociologia histórica, a partir tanto de ensaios do pensamento social, dos anos 1920-40, quanto de pesquisas referenciais da sociologia já institucionalizada, dos anos 1950-70. Espera-se, assim, contribuir para que se ganhe perspectiva histórica e analítica no tratamento de problemas atuais da cidadania democrática no país, bem como para uma compreensão renovada de materiais de pesquisa, temas e questões “clássicas” do pensamento social e da sociologia política brasileiras. A dinâmica do curso alternará aulas expositivas do professor (e eventuais convidados) e aulas de discussão da bibliografia selecionada (a qual poderá sofrer pequenas alterações ao longo do curso).

PROGRAMA:

1ª aula: Para uma revisão crítica da sociologia política brasileira

Exposição do professor 

2ª aula: Estado-nação e solidariedade social

BENDIX, R. Construção nacional e cidadania. São Paulo: EDUSP, 1996.

3ª e 4ª aulas: Solidariedade social: identidade e ação coletiva

ALEXANDER, J. C. Sociologia cultural. Formas de classificiación en las sociedades complejas. Barcelona: Anthropos, 2000.

TILLY, C. Coerção, capital e estados europeus, 990-1992. São Paulo: EDUSP, 1996.

5ª aula: Estado e nação no Brasil: entre o público e o privado

Exposição do professor 

6ª e 7ª aulas: O legado colonial: “agrarismo” e “insolidarismo”

OLIVEIRA VIANNA, F. J. de. Populações meridionais do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra/Governo do Estado do Rio de Janeiro/UFF, 1973. Volume 1.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1995.

8ª e 9ª aulas: Formação da comunidade política

PRADO JÚNIOR, C. Evolução política do Brasil. São Paulo, Brasilense, 1987.

DUARTE, N. A ordem privada e a organização política nacional. 2a edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1966.

10ª e 11ª aulas: Estratificação social, instituições e ação política

LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto: o município e o sistema representativo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1997.

PEREIRA DE QUEIROZ, M. I. O mandonismo local na vida política brasileira e outros ensaios. São Paulo, Ed. Alfa-Omega, 1976.

12ª e 13ª aulas: Organização autocrática e exercício personalizado do poder

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1975.

FRANCO, M. S. de C. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo, Editora da UNESP, 1997.

14ª aula: Teleologia, contingência e seqüência histórica da cidadania democrática no Brasil

Exposição do professor 

BIBLIOGRAFIA DE APOIO E REFERÊNCIA

ALEXANDER, J. C. “Core solidarity, ethnic outgroup, and social differentiation: a multidimensional model of inclusion in Modern Societies”. In: Dofny e Akiwowo (eds.), National and Ethnic Movements. Sage, 1980, pp. 5-28.

_____. Action and its environments: toward a New Synthesis. Columbia University Press, 1990.

ARENDT, H. “As esferas pública e privada”. In: A condição humana. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1993, pp. 31-88.

BALAKRISHNAN, G. (Org.): Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

BASTOS, E. R. “Pensamento social da escola sociológica paulista”. In: MICELI, S. O que ler na ciência social brasileira, 1970-2002. São Paulo: ANPOCS, Editora Sumaré; Brasília, DF: CAPES, 2002, pp. 183-232.

BOTELHO, A. O Brasil e os dias. Estado-nação, modernismo e rotina intelectual. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

CABRAL, M. V. “O exercício da cidadania política em perspectiva história (Portugal e Brasil)”. RBCS, V. 18, N. 51. São Paulo, fev. 2003.

CARVALHO, J. M. de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

COHEN, J. & ARATO, A. Civil society and political theory. Cambridge: MIT Press, 1992.

DYSON, K. H. F. The State Tradition in Western Europe. A study of an idea and Institution. New York: Oxford University Press, 1980.

GIDDENS, A. O Estado-nação e a violência. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

HABERMAS, J. Mudanças estruturais na esfera pública. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1984.

IANNI, O. A idéia de Brasil moderno. São Paulo: Brasiliense, 1992.

LUHMANN, N. Legitimação pelo procedimento. Brasília: Editora da UnB, 1986.

REIS, E. P. Processos e escolhas. Estudos de sociologia política. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1998.

RICUPERO, B. O romantismo e a idéia de nação no Brasil (1830-1870). São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SALLUM JR. B. “Metamorfoses do Estado brasileiro no Final do Século XX”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo: v.18, n.52, 2003, p.35-55

SANTOS, W. G. dos. Décadas de espanto e uma apologia democrática. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

SKINNER, Q. As fundações do pensamento político moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SKOCPOL, T. (Ed.). Vision and method in historical sociology. Cambrdige: Cambridge University Press, 1984.

TILLY, C. “Reflections on the History of European State Making”. In: ____ (Ed.).: The formation of National States in Western Europe (Studies in political development). Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1975, pp. 3-83.

_____. The Contentious French: four centuries of popular struggle. Cambridge, Mass: Belknap Press of Harvard University Press, 1986.

TURNER, B. & HAMILTON, P. (Eds.). Citizenship: critical concepts. Londres/Nova York, Routledge, 1994.

VIANNA, L. J. W. A revolução passiva. Iberismo e amercianismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1997.

_____ e CARVALHO, M. A. R. de “República e civilização brasileira”. Estudos de sociologia, Araraquara: n. 8, 1º semestre de 2000, pp. 7-33.

VILLAS BÔAS, G. Mudança provocada. Interpretações do moderno no Brasil. No prelo.