Esse curso visa discutir, sob perspectivas diversas, as relações entre os processos de formação de identidades e estabelecimento de diferenças e/ou distinções nas sociedades contemporâneas. Nesse sentido, processos sociais que se desenvolvem no campo do trabalho e no campo da educação deverão ser analisados como elementos constitutivos das identidades coletivas distintas, especialmente das profissões.

AULAS E BIBLIOGRAFIA

16/03/2005 – Apresentação

23/03/2005 – Desigualdade social e Identidades coletivas:
· Grusky, D. & Weeden, K., 2001: “Decomposition without death: a research agenda for a new class analysis” in Acta Sociologica, vol. 44 nº3, pp. 203-219.
· Grusky, D. & Sorensen, J., 1998: “Can class analysis be salvaged?” in American Journal of Sociology, vol 103, nº5, pp. 1187-1234.
30/03/2005 – Introdução ao estudo das profissões
· Barbosa, Maria Ligia, 1993: “A Sociologia das Profissões: em Torno da Legitimidade de um Objeto”, Boletim Informativo e Bibliográfico de Ciências Sociais, nº 36, ANPOCS/Relume Dumará, Rio de Janeiro.
· CHAPOULIE, J.M. (1973), “Sur l’analyse sociologique des groupes professionnels”, Revue Française de Sociologie, XIV, 86- 114.
· BURRAGE, M. & TORSTENDAHL, R., eds. (1990): Professions in theory and History, Sage, London.
· Saks, Mike (1983): “Removing the blinkers? A critique of recent contributions to the sociology of professions The Sociological review, 31, 01, 1-21

06/04/2005 – Durkheim, Weber, Carr, Parsons: os precursores e seus seguidores.
· DINIZ, M. (1996): “Neomarxistas e Neoweberianos: sobre a natureza do extrato profissional”, Dados, Rio de Janeiro, vol. 39, n.º 1, pp. 101-138.
· PARSONS, T., (1967), “Las professiones y la estructura social” in Ensayos de Teoria Sociologica, Paidós, Buenos Aires.
· ABBOTT, A., (1988), The system of Professions: an essay on the division of expert labour, The University of Chicago Press.

13/04/2005 – A crítica interacionista.
· FREIDSON, E., (1986): Professional powers, University of Chicago Press, Chicago.
· Freidson, E.: Profession of Medicine, NY, Harper and Row Publishers, 1970
· ——– (1998): Renascimento do Profissionalismo, EDUSP, São Paulo.
· ——– (2001): Professionalism the third Logic: On the practice of knowledge. The University of Chicago Press, Chicago.
· Barbosa, Maria Ligia 1999: “Renascimento do Profissionalismo: teoria, profecia e política, de Elliot Freidson” – Resenha publicada pela Revista Brasileira de Ciências Sociais, n.º 39, fevereiro de 1999 – pp. 186 a 190

20/04/2005 – A perspectiva weberiana – I: Profissão e autoridade
· Starr, Paul: (1982): The social transformation of American medicine, Basic Books, Inc, Publishers, New York.

27/04/2005 – A perspectiva weberiana – II: Profissão e desigualdade
· LARSON, M.S., (1977): The rise of professionalism, University of California Press, Berkeley
· DUBAR, C. & TRIPIER, P. (1998) Sociologie des professions. Armand Colin, Paris.

04/05/2005 – Profissão, Identidade e as lutas pela configuração do mundo social
· BOLTANSKI, L., (1984), “How a social group objectified itself: “Cadres”in France 1936-45”, Social Science Information, 23,3, pp.469-491.
· BOURDIEU, P. (1989a), “A força do direito” in O Poder Simbólico, Difel-Bertran Brasil.
· THE’VENOT, L. (1982): “L’Economie du codage social”, Critiques de l’economie politique, 23-24, pp. 188-222.
· ——— (1984) “Rules and implements: investment in forms”, Social Science Information, 23,1, pp.1-45.
· BARBOSA, M. L. O. (1998): “Para onde vai a classe média: um novo profissionalismo no Brasil?” Tempo Social, vol. 10, n.º 1, maio, pp. 129-142.
· GRÜN, R., (1990), A revolução dos gerentes brasileiros, Tese de doutorado, mimeo, Unicamp.
· FAGUER, J.P. (1995): KHÂGNEUX pour la vie: une histoire dês années soixante, Paris, Dossiês de Recherche du Centre d´étude de l´emploi.

11/05/2005 – A sociologia das profissões no Brasil (e em Portugal)
· SCHWARTZMAN, S., (1987), “A Força do novo: por uma sociologia dos conhecimentos modernos no Brasil”, RBCS nº 5, vol.2, out.1987.
· Barbosa, Maria Ligia, 2003: “As profissões no Brasil e sua sociologia”, Dados, vol. 46, nº 3, pp. 593-608.
· Bonelli, M. G. & Donatoni, S. (1996): “Os estudos sobre as profissões nas Ciências Sociais brasileiras” Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, n.º 41, pp. 109-142.
· Rodrigues, Maria de Lurdes (1997): Sociologia das Profissões Oeiras, Celta Editora.

18/05/2005 – Primeiras abordagens no Brasil
· DURAND, J.C.G. (1975): “A serviço da coletividade – crítica à sociologia das profissões” Revista de Administração de Empresas 15 (6):59-69, Rio de Janeiro, FGV.
· MARINHO, M. J. M.C. (1985): Profissionalização e Credenciamento: a política das profissões. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, IUPERJ.

25/05/2005 – Os médicos
· MACHADO, M. H. (1996): Os médicos e sua prática profissional: as metamorfoses de uma profissão, tese de doutorado, Rio de Janeiro, IUPERJ.
· LUZ, M.T., (1988), Natural, Racional, Social. Razão médica e racionalidade científica moderna. Ed. Campus, RJ.
· PEREIRA, A. F. (2001): Ser médico no Brasil: o presente no passado, Editora FIOCRUZ, Rio de Janeiro.
· Donnangelo, M. C. (1975): Medicina e Sociedade, São Paulo, Pioneira.

08/06/2005 – Os engenheiros
· Kawamura, L. K. (1981): Engenheiro: Trabalho e Ideologia, São Paulo, Ática.
· SIMÕES, S. (1989): The position of Engineers in the Brazilian Class Structure, PhD Dissertation, London, London School of Economics and Political Science.
· BARBOSA, M. L. O. (1993): Reconstruindo as Minas e Planejando as Gerais: os engenheiros e a constituição dos grupos sociais. Tese de doutorado, UNICAMP.

15/06/2005 – Os economistas, os astrólogos e outros.
· LOUREIRO, M.R., (1992), “Economistas e elites dirigentes no Brasil” Revista Brasileira de Ciências Sociais, n.º 20
· LOUREIRO, M.R., (1992), “Economistas e participação política” Revista Brasileira de Ciências Sociais n.º 19.
· GOMES, A. C., DIAS, J. L.M., Motta, M.S. (1994): Engenheiros e Economistas: novas elites burocráticas Rio de Janeiro, Editora da FGV.
· MIRANDA, A. P. M. (2002) “Burocratas ou autoridades: a construção da identidade profissional dos auditores fiscais da Receita Federal”, mimeo, ANPOCS.
· OLIVIERI, C. (2002): “A política de nomeação do alto escalão do Banco Central do Brasil”, mimeo, ANPOCS.
· VENUTO, A. (1999): “A Astrologia como campo profissional em formação” Dados, vol. 42, n.º 4, pp. 761-802.
· MENDES, R. F. (1999): “O fortalecimento profissional dos jornalistas brasileiros” Teoria e Pesquisa, n.º 28-29, São Carlos, PPGCS/UFSCAR.
· COELHO, F. M. G. (1999): A construção das profissões agrárias, tese de doutorado, Brasília, UnB.
· BONELLI, M. G. (1994): “O mercado de trabalho dos cientistas sociais” Revista Brasileira de Ciências Sociais, n.º 25, pp. 110-126.
· Bastos, Ana Paula Barbosa Leite, 2004: Herdeiros ou sobreviventes: mobilidade social no ensino superior no Rio de Janeiro, dissertação de mestrado, PPGSA/UFRJ.

22/06/2005 – Os juristas
· BONELLI M.G.(2002): Profissionalismo e política no mundo do Direito, Edufscar/FAPESP/Editora Sumaré, São Carlos.
· L. Werneck Vianna, M. Alice R. Carvalho, Manuel P. C. Melo e Marcelo B. Burgos: A Judicialização da política e das relações sociais no Brasil, Ed. Revan, RJ, 1999
· GLENDON, M. A. (1994) A Nation under lawyers: how the crisis in the legal profession is transforming American society. New York, Farrar, Straus and Giroux.
· HOLLOWAY, T. (1999): “From Justice to the Peace to Social War in Rio de Janeiro, 1824-1841” in Zimmermann, E. (ed.): Judicial Institutions in Nineteenth-Century Latin America, London, Institute of Latin American Studies.

29/06/2005 – As profissões imperiais
· COELHO, E.C. (1999): As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro1822-1930, Rio de Janeiro, Ed. Record.
· BARBOSA, M. L. O. (2000): “Jobim e Quincas chez Madame Labat: o imperador e suas profissões”, História, Ciências, Saúde Manguinhos, vol VII, n.º 1, mar/jun; pp. 208-215.
· Yarmolinsky, A., 1978: “What future for the professional in American Society” in Daedalus, winter, 159-174.