Os processos de globalização não possuem uma única causa nem são promovidos por um único ator social. Eles dependem da ação e interação de múltiplos sujeitos, em particular daqueles especializados na elaboração de agendas internacionais. Entre eles podemos mencionar os estados nacionais, as instituições regionais e internacionais, as ONGs, os think tanks, os intelectuais e as fundações privadas.

A pesquisa social sobre a globalização tem focalizado o discurso destes atores, mas tem avançado relativamente pouco na análise da constituição interna e a lógica de funcionamento do campo social dentro do qual se constroem as agendas internacionais.

O tema central do curso o Papel das Sociedades Civis e das ONGs na Formulação e Implementação das Agendas Nacionais e Globais. Será dada especial ênfase ao mapeamento do mundo das ONGs e seu lugar na chamada Sociedade Civil, à análise das relações entre as ONGs do norte e do sul geopolítico, a interação entre as ONGs e os diferentes atores políticos e organizações internacionais e as ONGs que se colocam fora do campo democrático. O curso terá tanto um componente de palestras do professor, leituras de textos e pesquisa a partir de uma lista de documentos que será entregue na inicio do curso